Cobra-da-floresta

Fotografia por Steve Slater, CC BY

Local da foto: África do Sul

 NIKON D3S (NIKON CORPORATION)
Distância Focal: 400mm  •  Abertura: f/2.8  •  Tempo de Exposição: 1/800s  •  ISO: 200
Data em que a foto foi tirada: 02/03/2013
  NÃO reproduza o conteúdo deste site sem autorização!

Cobra-da-floresta

Naja melanoleuca
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Reptilia
Ordem Squamata
Família Elapidae
Gênero Naja
Nome Científico Naja melanoleucaHallowell, 1857
Nome Inglês Forest Cobra, Black Cobra, Black and White-lipped Cobra
Estado de Conservação NE  - Não Avaliada pela IUCN

Descrição

A cobra-da-floresta, conhecida também como cobra-preta e cobra-de-lábios-preto-e-branco, é uma espécie de serpente peçonhenta da família Elapidae. É a maior serpente africana do gênero Naja (o gênero das cobras verdadeiras) e, possivelmente, a maior de todas as espécies de cobras verdadeiras.

O comprimento médio de um adulto é de 140 a 220 cm, mas pode atingir 270 cm de comprimento e, em casos raros até 310 cm. A espécie não apresenta dimorfismo sexual e machos e fêmeas têm tamanho semelhante. A cabeça desta serpente é grande, larga, achatada e ligeiramente distinta do pescoço. É uma serpente moderadamente grossa com uma cauda fina de comprimento médio. O corpo é comprimido dorsoventralmente (onde as escamas superiores do dorso e as escamas inferiores do ventre se encontram em ambos os lados do corpo) e subcilíndrico posteriormente. A cobra-da-floresta tem costelas cervicais longas capazes de se expandir para formar um longo capuz com formato de cunha quando ameaçada. O focinho é arredondado e seus olhos são grandes com pupilas redondas.

A cobra-da-floresta apresenta três variações de cores, chamadas de morfias. A primeira morfia tem cor preta brilhante, o queixo, pescoço e região anterior do ventre são de cor creme ou branca, com grandes barras transversais pretas e manchas. Os lados da cabeça são notavelmente marcados com preto e branco, dando a impressão de barras verticais brancas e pretas nos lábios. A segunda morfia tem faixas pretas e amarelas, com uma cauda preta, a cabeça é amarela acastanhada na parte superior, os lábios, queixo e garganta são amarelos. A terceira morfia é acastanhada ou castanho-escura na parte superior e mais clara na parte inferior, a barriga é amarela ou creme, fortemente salpicada com marrom ou preto, e espécimes da parte sul da sua área de ocorrência têm cauda preta. Espécimes totalmente pretos (com melanismo) foram documentados no oeste da África.

Biologia

A cobra-da floresta é uma espécie ágil de movimentos rápidos, diurna e terrestre, mas que escala árvores muito bem em alturas que podem ultrapassar os 10 m. Ela nada muito bem e é uma das mais aquáticas das cobras verdadeiras do gênero Naja. Embora seja ativa principalmente durante o dia, em áreas desabitadas ela pode ser ativa também durante a noite. Quando não está ativa ela se abriga em buracos, troncos ocos, raízes de árvores, fendas de rocha ou em cupinzeiros abandonados nas margens das florestas ou clareiras.

A cobra-da-floresta se alimenta de uma grande variedade de presas, incluindo anfíbios, peixes, outras serpentes, lagartos-monitores e outros lagartos, ovos de aves, roedores e outros pequenos mamíferos.

A cobra-da-floresta é uma espécie ovípara. No verão, a fêmea coloca entre 11 e 26 ovos brancos, cada um com cerca de 30 a 60 mm. Os ovos são colocados em árvores ocas, cupinzeiros, buracos no chão, ou a fêmea faz seu próprio ninho. Antes do acasalamento, o casal faz uma dança, levantando suas cabeças cerca de 30 cm ou mais do chão, movimentando-se para lá e para cá. A fêmea é irritada e agressiva durante o período de reprodução e está suscetível a atacar sem ser provocada, com consequências potencialmente fatais para pessoas que passam perto de trilhas próximas do ninho da serpente. O período de incubação é de 55 a 70 dias e os filhotes nascem completamente independentes com cerca de 22 a 25 cm de comprimento.

Habitat

A cobra-da-floresta tem preferência por habitats de florestas de planícies e savanas úmidas, mas é uma espécie altamente adaptável e pode ser encontrada em climas mais secos dentro da sua área de ocorrência.

Distribuição

A cobra-da-floresta é uma espécie nativa da África, principalmente das partes oeste e central do continente.

Veneno

O veneno da cobra-da-floresta é uma neurotoxina pós-sináptica e uma picada resulta em grave neurotoxicidade. Em uma picada ela pode injetar, em média, 571 mg de veneno, e no máximo 1.102 mg. Esta serpente pode ser altamente perigosa devido à quantidade de veneno que pode injetar em uma única picada e pela sua natureza agressiva quando está se defendendo. A morte pode ocorrer rapidamente, dentro de 30 a 120 minutos em casos severos de envenenamento.

Continentes de Ocorrência

África

Elaboração e Tradução de Texto (Inglês / Espanhol para Português)

  • Terra Selvagem (by LS).

Referências

  • Wikipedia contributors. "Forest Cobra." Wikipedia, The Free Encyclopedia. Wikipedia, The Free Encyclopedia, 8 Feb. 2017. Web. 5 Apr. 2017.

Fotos da Espécie

Mais Espécies de Répteis

Conheça mais espécies de Répteis selecionadas pelo Terra Selvagem.

Você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Saiba que dependemos exclusivamente de anúncios para manter o Terra Selvagem no ar.

Para continuar navegando, desabilite seu bloqueador de anúncios ou adicione o endereço www.terraselvagem.com à lista branca de sites do seu bloqueador de anúncios.