Cobra-cuspideira-de-moçambique

Copyright © Aviad Bar

Local da foto: Zimbábue

  NÃO reproduza o conteúdo deste site sem autorização!

Cobra-cuspideira-de-moçambique

Naja mossambica
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Reptilia
Ordem Squamata
Família Elapidae
Gênero Naja
Nome Científico Naja mossambicaPeters, 1854
Nome Inglês Mozambique Spitting Cobra
Estado de Conservação NE  - Não Avaliada pela IUCN

Descrição

A cobra-cuspideira-de-moçambique é uma serpente peçonhenta do gênero Naja, o gênero das cobras verdadeiras. Ela pertence à família Elapidae.

A cabeça da cobra-cuspideira-de-moçambique é larga, achatada, contundente e ligeiramente distinta do pescoço. O focinho é arredondado e os olhos são de tamanho médio, com pupilas redondas. As escamas dorsais são lisas e fortemente oblíquas. A cor dorsal geralmente é acastanhada, rosada ou esverdeada nos juvenis. Conforme a serpente amadurece a cor começa a desbotar e se torna mais escura. Os adultos adquirem uma coloração que varia do ardósia ao marrom-oliva com escamas margeadas de preto. O lado ventral é principalmente cor de pêssego ao rosado ou cinza, às vezes, amarelado com barras transversais pretas.

É uma serpente de pequeno a médio porte de corpo moderadamente delgado, com uma cauda de comprimento médio. O corpo é comprimido dorsoventralmente e subcilíndrico posteriormente. Como outras serpentes do gênero Naja, esta espécie tem longas costelas cervicais que podem se expandir para formar uma espécie de capuz quando ameaçada.

A cobra-cuspideira-de-moçambique tem, em média, entre 90 e 110 cm de comprimento, mas pode crescer até 150 cm de comprimento. Sua cauda é relativamente longa e é responsável por 15 a 20% do comprimento total da serpente.

Biologia

A cobra-cuspideira-de-moçambique é uma serpente terrestre e diurna, embora juvenis, muitas vezes forrageiam durante o dia. Os adultos podem ser vistos se aquecendo perto de algum abrigo ou forrageando em dias nublados. Esta espécie costuma se abrigar em troncos ocos, cupinzeiros abandonados e buracos de roedores.

A dieta da cobra-cuspideira-de-moçambique consiste principalmente de anfíbios, outras serpentes, pássaros, ovos, pequenos mamíferos e ocasionalmente até insetos.

Uma serpente tímida, a cobra-cuspideira-de-moçambique raramente fica em campo e rapidamente procura fugir se perturbada. Se ameaçada, ela pode expandir seu capuz e usar a sua principal defesa - cuspir ou ejetar seu veneno nos olhos de um predador ou potencial ameaça. Suas presas são especialmente modificadas para cuspir veneno. As aberturas do canal do veneno nas extremidades são direcionadas para a frente e em ângulos retos com as presas, permitindo a serpente ejetar seu veneno a uma distância superior a 2 m. Esta espécie nem sempre expande seu capuz antes de cuspir o veneno e pode apenas abrir sua boca ligeiramente antes de fazer isso. Ela pode cuspir de forma eficaz a partir de uma posição escondida dentro do seu abrigo. É uma serpente que raramente pica e muitas vezes se finge de morta.

A cobra-cuspideira-de-moçambique é uma espécie ovípara. A fêmea coloca entre 10 e 22 ovos no verão. Os filhotes nascem com 23 a 25 cm de comprimento e já são completamente independentes desde o nascimento.

Habitat

A cobra-cuspideira-de-moçambique é uma serpente bastante adaptável, e é encontrada em uma grande variedade de habitats e biomas. Ela pode ser encontrada em savanas, florestas costeiras, campos arbustivos e espinhosos e, algumas vezes, em regiões semidesérticas. Ela tem preferência por locais próximos de uma fonte de água permanente. Ela também é encontrada com frequência forrageando perto ou até mesmo em assentamentos humanos, geralmente à noite.

Distribuição

A cobra-cuspideira-de-moçambique é encontrada na África tropical e subtropical. Ela ocorre em KwaZulu-Natal e Mpumalanga na África do Sul, Suazilândia, Zimbábue e Moçambique até o nordeste de Botsuana, Zâmbia, Malawi, nordeste da Namíbia, sudeste de Angola e sul da Tanzânia.

Veneno

A cobra-cuspideira-de-moçambique é uma das serpentes mais perigosas da África. O seu veneno é composto principalmente de citotoxinas, mas também mantém as neurotoxinas, como a maioria das serpentes da família Elapidae. No entanto, as citotoxinas causam danos graves no tecido local, que muitas vezes requerem enxertos de pele. Esta espécie é responsável por uma quantidade considerável de incidentes ofídicos em toda a sua área de ocorrência, mas as mortes são raras.

Continentes de Ocorrência

África

Elaboração e Tradução de Texto (Inglês / Espanhol para Português)

  • Terra Selvagem (by LS).

Referências

  • Wikipedia contributors. "Mozambique Spitting Cobra." Wikipedia, The Free Encyclopedia. Wikipedia, The Free Encyclopedia, 7 Mar. 2017. Web. 6 Apr. 2017.
  • Citizendium.

Mais Espécies de Répteis

Conheça mais espécies de Répteis selecionadas pelo Terra Selvagem.

Você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Saiba que dependemos exclusivamente de anúncios para manter o Terra Selvagem no ar.

Para continuar navegando, desabilite seu bloqueador de anúncios ou adicione o endereço www.terraselvagem.com à lista branca de sites do seu bloqueador de anúncios.