Enguia-elétrica

Fotografia por Sander van der Wel, CC BY-SA

Local da foto: Zoológico Ouwehand, Rhenen, Holanda

 Canon EOS 7D (Canon)
Distância Focal: 95mm  •  Abertura: f/2.8  •  Tempo de Exposição: 1/60s  •  ISO: 800
Data em que a foto foi tirada: 24/10/2009
  NÃO reproduza o conteúdo deste site sem autorização!

Enguia-elétrica

Electrophorus electricus
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Actinopterygii
Ordem Gymnotiformes
Família Gymnotidae
Gênero Electrophorus
Nome Científico Electrophorus electricus(Linnaeus, 1766)
Nome Inglês Electric Eel
Estado de Conservação LC  - Pouco Preocupante (IUCN / 2009)

Descrição

A enguia-elétrica, conhecida também como poraquê, é um peixe elétrico da família Gymnotidae e, apesar do seu nome, ela não é uma enguia, mas tem uma forte semelhança com as enguias verdadeiras.

A enguia-elétrica tem um corpo longo semelhante ao de uma serpente e não tem cauda, nadadeiras dorsais e nadadeiras pélvicas. Ela tem uma nadadeira anal extremamente alongada, que é usada como meio de locomoção. Essa enguia tem um corpo com formato cilíndrico, com uma cabeça ligeiramente achatada e uma boca grande. Os órgãos vitais para esse peixe estão todos na parte anterior do corpo e ocupam apenas cerca de 20% do peixe. A parte posterior do corpo contém os órgãos elétricos.

A enguia-elétrica tem brânquias, embora não seja a sua principal fonte de oxigênio. Ela precisa obrigatoriamente respirar ar, e recebe quase 80% do seu oxigênio através da sua boca altamente vascularizada. A pele grossa e viscosa cobre todo o corpo da enguia-elétrica. A pele é usada como uma camada protetora, muitas vezes, da sua própria corrente elétrica que é produzida. A cor da enguia-elétrica varia do cinza ao preto/acastanhado com alguma coloração amarelada na parte ventral anterior do corpo.

A enguia-elétrica pode crescer até 2,5 m de comprimento e pesar até 20 kg.

Biologia

A enguia-elétrica tem três pares abdominais de órgãos que produzem eletricidade: o órgão principal, o órgão de Hunter, e o órgão de Sach. Esses órgãos constituem quatro quintos do seu corpo, e são os órgãos que dão a enguia-elétrica a capacidade de gerar dois tipos de descargas dos órgãos elétricos: baixa voltagem e alta voltagem. Esses órgãos são feitos de eletrócitos, alinhados de uma forma que uma corrente de íos possa fluir através deles e empilhados de modo que cada um adiciona uma potencial diferença. Quando a enguia-elétrica localiza sua presa, o cérebro envia um sinal pelo sistema nervoso para os eletrócitos. Isso abre os canais de íon, permitindo o sódio fluir, invertendo a polaridade momentaneamente. Causando uma diferença brusca no potencial elétrico, gera uma corrente elétrica de uma forma semelhante a uma bateria, em que cada placa empilhada produz uma diferença de potencial elétrico. Na enguia-elétrica, cerca de 5.000 a 6.000 eletroplacas empilhadas são capazes de produzir um choque de até 600 volts e 1 ampere de corrente (600 watts), com uma duração de 2 ms. Seria pouco provável um choque como esse ser fatal para um ser humano adulto, devido à duração muito curta da descarga. Mesmo assim, esse nível de corrente poderia, em teoria, causar eletrocussão fatal em humanos, dependendo do caminho da corrente pelo corpo humano, e a duração do fluxo da corrente.

Apesar da enguia-elétrica ter o potencial de ser bastante agressiva, ela não é. Ela realmente só usa as suas fortes descargas dos órgãos elétricos para predação e para se defender. As fracas descargas dos órgãos elétricos são usadas para eletrolocalização, bem como para identificação de objetos estranhos. Isto é especialmente importante por causa da sua visão fraca. Essa enguia é um animal noturno que vive em águas escuras barrentas, assim ela deve contar com a eletricidade para a detecção.

A enguia-elétrica se alimenta de invertebrados. Os adultos também podem consumir peixes e pequenos mamíferos. Os primeiros recém-nascidos se alimentam de outros ovos e embriões de ninhadas posteriores. Os juvenis se alimentam de invertebrados, tais como camarões e caranguejos.

A enguia-elétrica é conhecida pelo seu comportamento reprodutivo incomum. Ela reproduz durante a estação seca, época em que o macho faz um ninho com sua saliva em local bem escondido para que a fêmea coloque seus ovos - cerca de 3.000 ovos. O macho defende seu ninho e os filhotes vigorosamente.

Não se sabe exatamente quantos anos vive uma enguia-elétrica na natureza. Em cativeiro, machos podem viver entre 10 e 15 anos, enquanto as fêmeas geralmente vivem entre 12 e 22 anos.

Habitat

A enguia-elétrica habita fundos lamacentos de rios, córregos, lagos e pântanos, preferindo áreas profundamente sombreadas. No entanto, ela sobe com frequência à superfície para respirar ar atmosférico, obtendo até 80% de seu oxigênio através desse método. Esse recurso permite a enguia-elétrica sobreviver confortavelmente em águas com uma concentração muito baixa de oxigênio.

Distribuição

A enguia-elétrica ocorre nas bacias Amazônica e do rio Orinoco. Ela é encontrada no Brasil, Guiana, Guiana Francesa, Peru, Suriname, Venezuela e Bolívia.

Continentes de Ocorrência

América do Sul

Elaboração e Tradução de Texto (Inglês / Espanhol para Português)

  • Terra Selvagem (by LS).

Referências

  • Wikipedia contributors. "Electric Eel." Wikipedia, The Free Encyclopedia. Wikipedia, The Free Encyclopedia, 14 Mar. 2017. Web. 31 Mar. 2017.
  • Valasco, T. 2003. "Electrophorus electricus" (On-line), Animal Diversity Web.
  • Reis, R & Lima, F. 2009. Electrophorus electricus. The IUCN Red List of Threatened Species 2009: e.T167700A6369863.

Mais Espécies de Peixes

Conheça mais espécies de Peixes selecionadas pelo Terra Selvagem.

Você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Saiba que dependemos exclusivamente de anúncios para manter o Terra Selvagem no ar.

Para continuar navegando, desabilite seu bloqueador de anúncios ou adicione o endereço www.terraselvagem.com à lista branca de sites do seu bloqueador de anúncios.