Gato-do-mato-pequeno

Copyright © Tadeu Oliveira, Projeto Gatos do Mato

  NÃO reproduza o conteúdo deste site sem autorização!

Gato-do-mato-pequeno

Leopardus guttulus
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Mammalia
Ordem Carnivora
Família Felidae
Gênero Leopardus
Nome Científico Leopardus guttulusHensel, 1872
Nome Inglês Southern Tiger Cat, Southern Oncilla
Estado de Conservação VU  - Vulnerável (IUCN / 2016)

Descrição

O gato-do-mato-pequeno é uma espécie de mamífero da família Felidae e um dos menores felinos selvagens da América do Sul.

O gato-do-mato-pequeno é muito parecido com o gato-macambira (Leopardus tigrinus). À primeira vista, as duas espécies parecem idênticas. No entanto, elas apresentam algumas diferenças sutis na cor de fundo, padrão de pintas e morfologia, que não são fáceis de distinguir. Geralmente, o gato-macambira tem uma cor base que varia do amarelo pálido ao ligeiramente ocre, marcada por pequenos pontos que tendem a formar uma roseta aberta. O gato-do-mato-pequeno, por outro lado, apresenta uma cor de fundo mais ocre ou marrom amarelada, com rosetas abertas que são ligeiramente maiores e mais arredondadas do que no gato-macambira. O melanismo é comum em ambas as espécies. Por um lado, o gato-macambira tem uma estrutura mais leve, parecendo ter um corpo, pernas e cauda mais delgadas. O gato-do-mato-pequeno, por outro lado, tende a parecer um pouco mais robusto, com uma cauda mais espessa e orelhas arredondadas menores. No entanto, indivíduos de ambas as espécies pode divergir de sua norma e alguns podem parecer muito crípticos.

A pelagem ventral mais clara é coberta com manchas escuras. As orelhas grandes de ambas as espécies têm uma parte traseira preta com uma mancha branca central. A cauda do gato-do-mato-pequeno tem de sete a treze anéis finos irregulares, e uma ponta preta. O gato-macambira tem uma cauda com anéis mais finos e menos visíveis. Em ambas as espécies, a cauda tem cerca de 60% do comprimento cabeça-corpo. Ambas as espécies são muito semelhantes ao gato-maracajá (Leopardus wiedii), sendo difícil distinguir as três espécies. No entanto, a pelagem do gato-do-mato-pequeno e do gato-macambira não é tão espessa, seus padrões tendem a ser menos escuros e manchados, com abundantes manchas sólidas e rosetas abertas, que tendem a ser menores e mais numerosas. Além disso, o corpo é mais delgado, as patas são proporcionais ao seu tamanho, e a cauda é mais curta do que a do gato-maracajá. Os pelos da nuca do gato-do-mato-pequeno e do gato-macambira são inclinados para trás, diferentemente do gato-maracajá e da jaguatirica (Leopardus pardalis), mas semelhante ao gato-do-mato-grande (Leopardus geoffroyi). O gato-do-mato-pequeno é parecido também com o gato-do-mato-grande, com quem ele hibrida. Ele difere por ser menor, sem uma cabeça volumosa e sem os pontos emparelhados típicos que geralmente não formam rosetas.

O gato-do-mato-pequeno tem entre 38 e 59 cm de comprimento (cabeça-corpo) e uma cauda de 20 a 42 cm. Apesar de ser um pouco mais comprido do que um gato-doméstico médio, o gato-do-mato-pequeno geralmente é mais leve, pesando entre 1,5 e 3 kg. Os machos são ligeiramente maiores do que as fêmeas.

Biologia

O gato-do-mato-pequeno é um felino solitário. É ativo predominantemente à noite, mas também pode apresentar um nível considerável de atividade diurna. Essa atividade durante qualquer hora do dia é sugerida ser uma estratégia para evitar a predação de seu parente maior, a jaguatirica.

O gato-do-mato-pequeno é principalmente terrestre, mas também é um bom escalador. Como todos os felinos, é carnívoro. Sua dieta é composta de pequenos mamíferos, lagartos, aves, ovos, invertebrados e, ocasionalmente, pererecas.

O período de gestação do gato-do-mato-pequeno é de aproximadamente 75 dias. A fêmea geralmente dá à luz um filhote, mas podem nascer até 4 filhotes. Quando nascem, os filhotes pesam entre 92 e 134 g, e abrem os olhos entre 7 e 18 dias após o nascimento. A maioria dos filhotes estão completamente independentes aos 4 meses de idade e, aos 11 meses, estão completamente crescidos. As fêmeas do gato-do-mato-pequeno atingem a maturidade sexual depois de 2 anos de idade, e os machos depois dos 18 meses. Na natureza esse felino pode viver entre 10 e 14 anos e, em cativeiro, vive em média, entre 16 e 20 anos.

Habitat

O gato-do-mato-pequeno prefere habitats florestados e é encontrado em uma grande variedade de ecossistemas de florestas, incluindo florestas tropicais densas em elevações que variam do nível do mar até 1.500 m. De 350 a 1.500 m, o gato-do-mato-pequeno pode ser encontrado em florestas tropicais ou florestas de encostas úmidas. De 1.500 m acima, ele pode ser encontrado em florestas montanhosas úmidas ou em florestas nebulosas. Evidências sugerem que essa espécie está se expandindo para florestas decíduas e florestas subtropicais.

Distribuição

O gato-mato-pequeno ocorre do centro ao sul do Brasil, leste do Paraguai e norte da Argentina. Os limites norte da sua área de distribuição ainda não estão claros. Ele ocorre no Brasil central nos estados de Minas Gerais, Goiás e na Mata Atlântica do centro-sul da Bahia na região nordeste.

Ameaças

As maiores ameaças para o gato-do-mato-pequeno incluem a perda e fragmentação do habitat, estradas, comércio ilegal de peles, tráfico de espécies e morte por retaliação, pois o felino pode atacar aves domésticas.

Subespécies

Continentes de Ocorrência

América do Sul

Elaboração e Tradução de Texto (Inglês / Espanhol para Português)

  • Terra Selvagem (by LS).

Referências

  • Wikipedia contributors. "Leopardus guttulus." Wikipedia, The Free Encyclopedia. Wikipedia, The Free Encyclopedia, 4 Apr. 2017. Web. 8 Apr. 2017.
  • de Oliveira, T., Trigo, T., Tortato, M., Paviolo, A., Bianchi, R. & Leite-Pitman, M.R.P. 2016. Leopardus guttulus. The IUCN Red List of Threatened Species 2016: e.T54010476A54010576.
  • Cat Specialist Group. Acessado em 24 Fev 2018.

Mais Espécies de Mamíferos

Conheça mais espécies de Mamíferos selecionadas pelo Terra Selvagem.

Você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Saiba que dependemos exclusivamente de anúncios para manter o Terra Selvagem no ar.

Para continuar navegando, desabilite seu bloqueador de anúncios ou adicione o endereço www.terraselvagem.com à lista branca de sites do seu bloqueador de anúncios.