Libélula-dia-das-bruxas

Fotografia por Eric Isley, CC BY-NC

Local da foto: Texas, Estados Unidos

  NÃO reproduza o conteúdo deste site sem autorização!

Libélula-dia-das-bruxas

Celithemis eponina
Reino Animalia
Filo Arthropoda
Classe Insecta
Ordem Odonata
Família Libellulidae
Gênero Celithemis
Nome Científico Celithemis eponina(Drury, 1773)
Nome Inglês Halloween Pennant
Estado de Conservação NE  - Não Avaliada pela IUCN

Descrição

A libélula-dia-das-bruxas é um invertebrado da família Libellulidae. Seu nome comum é descritivo por causa das suas distintas asas alaranjadas com faixas pretas ou marrons - as cores do Dia das Bruxas.

As características da libélula-dia-das-bruxas variam dependendo do sexo e da idade do animal. A larva, também conhecida como ninfa, pode crescer de 5 a 6 cm de comprimento e tem uma cor que varia do amarelo ao verde. As asas da libélula-dia-das-bruxas são totalmente amarelas alaranjadas com faixas marrom-escuras. O macho desenvolve cores brilhantes, como vermelho, amarelo e marrom, conforme ele amadurece. Ele também desenvolve manchas retangulares vermelhas na borda frontal de cada asa. A fêmea é amarela.

A anatomia de ambos os sexos da libélula-dia-das-bruxas é semelhante. Como todos os insetos, essa libélula é dividida em três seções: cabeça, tórax e abdômen. Sua cabeça é móvel e contém as peças bucais, antenas e olhos muito grandes que ocupam a maior parte da cabeça. As antenas são muito curtas e pequenas, contendo poucos órgãos sensoriais. O tórax tem pernas fracas e quatro asas. As asas não são ligadas e funcionam de forma independente. As seis pernas são cobertas com esporas e são usadas para agarrar itens. Elas raramente são usadas para andar. Em voo, as pernas são apoiadas contra o corpo para protegê-las do vento. O abdômen é longo e achatado. O corpo inteiro (menos as pernas) é desprovido de pelos e é bastante colorido.

A libélula-dia-das-bruxas pode atingir um comprimento de 35 a 42 mm.

Biologia

Os hábitos alimentares da libélula-dia-das-bruxas dependem do estágio da vida. Quando adulta, a libélula-dia-das-bruxas se alimenta de insetos voadores como mosquitos, moscas e pernilongos, que são capturados durante o voo. Ocasionalmente ela consome outras libélulas, caçando principalmente durante o dia. No estágio de larva, ela se alimenta de insetos aquáticos, como mosquitos e outras larvas de odonatos. Larvas maiores podem comer até peixe. Ela também pode comer vermes oligoquetas, gastrópodes, crustáceos e girinos. A larva caça de forma diferente do adulto. Ela espera lentamente e persegue suas presas. Seus olhos salientes se sobrepõem permitindo calcular muito bem a distância de suas presas. A face da larva contém uma máscara preênsil com um lábio especialmente modificado. Ela também tem grandes pinças afiadas que agarram a presa quando a máscara é aberta. Tudo isso acontece em velocidades incrivelmente altas.

A reprodução da libélula-dia-das-bruxas ocorre em grande parte durante o voo. Os órgãos reprodutores do macho são bem adequados para isso. A extremidade posterior do décimo segmento abdominal tem dois apêndices superiores que não são usados para a transferência de esperma, mas para anexar e segurar a fêmea durante o voo.

O cortejo do macho da libélula-dia-das-bruxas é uma série extensa de passos. A fêmea é atraída para o habitat do macho por um padrão de voo. O casal então começa o processo de acasalamento. O macho dobra seu abdômen ventralmente para permitir que as vesículas seminais coletem o esperma. O macho então agarra a cabeça da fêmea com seus apêndices. Os parceiros anexados formam um posição de acasalamento chamada de "roda de acasalamento". O macho fica na frente e a fêmea atrás. A fêmea inclina seu abdômen para alcançar o abdômen do macho. Depois disso, os órgãos reprodutores do macho e da fêmea se separam, mas o casal permanece interligado. A fêmea agora está pronta para colocar seus ovos.

A fêmea da libélula-dia-das-bruxas coloca seus ovos em vegetação morta na água. Ela desce até a água com o macho ainda anexado a ela, e respira através da uma camada protetora de ar que é presa por pelos finos em ambos os grupos de pernas.

As larvas da libélula-dia-das-bruxas emergem dos ovos e são aquáticas. A fase larval pode durar de alguns dias a alguns anos. Durante seu estágio final como larvas, elas saem da água em busca de uma pedra, de uma haste de planta ou alga. Elas então racham sua pele larval e rastejam para fora. Elas agora são adultas. Não existe estágio de pupa. Um primeiro voo logo segue. A libélula adulta então deixa a água por duas semanas e retorna sexualmente madura e pronta para acasalar.

Habitat

A libélula-dia-das-bruxas vive em tipos de habitats úmidos, como lagos, lagoas e pântanos, onde ela pousa na vegetação.

Distribuição

A libélula-dia-das-bruxas ocorre no leste da América do Norte. Ela é encontrada no Canadá e nos Estados Unidos.

Continentes de Ocorrência

América do Norte

Elaboração e Tradução de Texto (Inglês / Espanhol para Português)

  • Terra Selvagem (by LS).

Referências

  • Wikipedia contributors. "Halloween Pennant." Wikipedia, The Free Encyclopedia. Wikipedia, The Free Encyclopedia, 30 Oct. 2016. Web. 8 Apr. 2017.
  • Anderson, M. 2001. "Celithemis eponina" (On-line), Animal Diversity Web.

Mais Espécies de Invertebrados

Conheça mais espécies de Invertebrados selecionadas pelo Terra Selvagem.

Você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Saiba que dependemos exclusivamente de anúncios para manter o Terra Selvagem no ar.

Para continuar navegando, desabilite seu bloqueador de anúncios ou adicione o endereço www.terraselvagem.com à lista branca de sites do seu bloqueador de anúncios.