Coral-bolha

Fotografia por Nick Hobgood, CC BY-NC

Local da foto: Suva, Ilhas Fiji

 Canon EOS REBEL SL1 (Canon)
Distância Focal: 60mm  •  Abertura: f/11.0  •  Tempo de Exposição: 1/160s  •  ISO: 100
Data em que a foto foi tirada: 14/08/2016
  NÃO reproduza o conteúdo deste site sem autorização!

Coral-bolha

Plerogyra sinuosa
Reino Animalia
Filo Cnidaria
Classe Anthozoa
Ordem Scleractinia
Família Caryophylliidae
Gênero Plerogyra
Nome Científico Plerogyra sinuosa(Dana, 1846)
Nome Inglês Bubble Coral
Estado de Conservação NT  - Quase Ameaçada (IUCN / 2014)

Descrição

O coral-bolha é uma espécie de coral de aparência estranha da família Caryophylliidae, que recebe seu nome por causa das bolhas do tamanho de uvas, que aumentam sua área superficial e expõem as algas simbióticas, ou "zooxantelas", para mais luz. As bolhas se projetam durante o dia, mas encolhem durante a noite, quando os tentáculos se expandem para capturar alimento.

Como em outros corais que formam colônias, as colônias do coral-bolha são compostas de inúmeros pequenos animais de corpo mole, parecidos com anêmonas, chamados de pólipos. No entanto, apesar de terem vários pólipos, as colônias de coral-bolha só têm uma grande abertura oral, onde o alimento é digerido em uma cavidade do corpo semelhante a um saco. As colônias têm septos de formato irregular, que produzem uma aparência irregular, e são inicialmente, em forma de um cone invertido, mas tornam-se longos e retos com a idade. Cada pólipo segrega um esqueleto rígido, chamado de "corallite", que ao longo de sucessivas gerações contribui para a formação de um recife de coral. O esqueleto do coral forma a maior parte da colônia, com o tecido do pólipo vivo compreendendo apenas uma fina camada. Colônias vivas de coral-bolha tendem a ser verdes ou azuis.

Biologia

Como muitas espécies de coral, o coral-bolha é zooxantelas, o que significa que seus tecidos contêm grandes quantidades de algas unicelulares chamadas zooxantelas. O coral e as algas têm uma relação simbiótica, onde as algas ganham um ambiente seguro e estável nos tecidos do coral, enquanto o coral recebe nutrientes produzidos pelas algas através da fotossíntese. Ao aproveitar a energia do sol desta forma, os corais são capazes de crescer rapidamente e formam estruturas de recifes enormes, mas são forçados a viver perto da superfície da água. Um coral zooxantelas pode obter cerca de 70% das suas necessidades de nutrientes a partir da fotossíntese das zooxantelas, e pode também se alimentar de zooplâncton.

Muito pouco se sabe sobre a biologia reprodutiva específica do coral-bolha, embora seja provável que ele seja capaz de reproduzir tanto sexualmente como assexuadamente. A reprodução assexuada ocorre via fragmentação, onde um galho se rompe de uma colônia, se anexa novamente no substrato e cresce. A reprodução sexuada ocorre via liberação de óvulos e espermatozoides na água. Algumas das larvas resultantes destes eventos de desova se estabelecem rapidamente no mesmo recife, enquanto outros podem flutuar ao redor por meses, finalmente se estabelecendo em recifes que podem estar a centenas de quilômetros de distância.

O coral-bolha enfrenta muitas das ameaças que estão afetando os recifes de coral globalmente. No entanto, a maior ameaça aos corais é a mudança climática global, com o aumento esperado na temperatura dos oceanos aumentando o risco de "branqueamento" do coral, em que o coral estressado expele suas zooxantelas, muitas vezes resultando na morte do coral. As mudanças climáticas também podem levar a grandes tempestades mais frequentes, que podem danificar os recifes, e o aumento dos níveis de dióxido de carbono pode tornar o oceano cada vez mais ácido. Estas tensões também podem tornar os corais mais suscetíveis a doenças, parasitas e predadores, como a estrela-do-mar-coroa-de-espinhos (Acanthaster planci).

Habitat

O coral-bolha é mais frequentemente encontrado em recifes protegidos, onde cresce em faces verticais ou sob saliências. Grandes colônias são frequentemente encontradas em superfícies planas em águas turvas. Ele pode ocorrer em profundidades entre 3 e 35 m.

Distribuição

O coral-bolha é encontrado nos oceanos Pacífico e Índico, ocorrendo desde o Mar Vermelho, Golfo de Áden e sudoeste do Oceano Índico, pelo norte do Oceano Índico ao sudeste da Ásia, Japão e leste do Mar da China, e no Oceano Pacífico central e ocidental.

Continentes de Ocorrência

África, Ásia, Austrália/Oceania

Elaboração e Tradução de Texto (Inglês / Espanhol para Português)

  • Terra Selvagem (by LS).

Referências

  • Bubble Coral fact file on ARKive.
  • Turak, E., Sheppard, C. & Wood, E. 2014. Plerogyra sinuosa. The IUCN Red List of Threatened Species 2014: e.T133258A54224963.

Mais Espécies de Invertebrados

Conheça mais espécies de Invertebrados selecionadas pelo Terra Selvagem.

Você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Saiba que dependemos exclusivamente de anúncios para manter o Terra Selvagem no ar.

Para continuar navegando, desabilite seu bloqueador de anúncios ou adicione o endereço www.terraselvagem.com à lista branca de sites do seu bloqueador de anúncios.