Caracol-marinho-língua-de-flamingo

Fotografia por Jome Jome, CC BY-NC-ND

Local da foto: Ilhas da Baía, Honduras

 COOLPIX P5100 (NIKON)
Distância Focal: 26mm  •  Abertura: f/5.3  •  Tempo de Exposição: 1/125s  •  ISO: 64
Data em que a foto foi tirada: 24/08/2008
  NÃO reproduza o conteúdo deste site sem autorização!

Caracol-marinho-língua-de-flamingo

Cyphoma gibbosum
Reino Animalia
Filo Mollusca
Classe Gastropoda
Ordem Sem Classificação
Família Ovulidae
Gênero Cyphoma
Nome Científico Cyphoma gibbosum(Linnaeus, 1758)
Nome Inglês Flamingo Tongue Snail
Estado de Conservação NE  - Não Avaliada pela IUCN

Descrição

O caracol-marinho-língua-de-flamingo é um pequeno molusco gastrópode marinho da família Ovulidae.

Ao contrário dos nudibrânquios, o caracol-marinho-língua-de-flamingo tem uma concha. No entanto, a concha geralmente não é visível em animais vivos devido aos tecidos do manto que a cobre. Quando vivo, o caracol-marinho-língua-de-flamingo tem manchas de formato irregular amarelas/alaranjadas brilhantes com bordas pretas. No entanto, essas cores não estão na concha, mas estão apenas no tecido do manto que geralmente cobre a concha. As abas do manto podem ser retraídas, expondo a concha, mas isso geralmente acontece somente quando o animal é atacado. O formato da concha geralmente é alongado e o dorso apresenta uma crista transversal grossa. A superfície dorsal é lisa e brilhante, e pode ser branca ou laranja com ou sem nenhuma mancha, exceto uma faixa longitudinal branca ou creme. A base e o interior da concha são brancas ou rosadas com uma abertura larga.

A concha do caracol-marinho-língua-de-flamingo tem, em média, de 25 a 35 mm de comprimento, com um tamanho mínimo de 18 mm e um comprimento máximo de 44 mm.

Biologia

O caracol-marinho-língua-de-flamingo vive e se alimenta de corais gorgônias, explorando os tecidos vivos desses corais moles. Suas presas comuns incluem espécies de corais dos gêneros Briareum, Gorgonia, Plexaura e Plexaurella.

Os corais gorgônias são aleloquimicamente ricos. Em outras palavras, os corais contêm químicas que impedem os predadores de comê-los. A maioria dos organismos é incapaz de se alimentar de corais gorgônias por causa das químicas tóxicas presentes. O caracol-marinho-língua-de-flamingo tem enzimas, conhecidas como glutationa S-transferases (GSTs), que são enzimas de desintoxicação. As GSTs, ou biotransformam aleloquiímicas em substâncias químicas não tóxicas, as quais o caracol é capaz de lidar, ou as GSTs sequestram as aleloquímicas dentro do corpo do caracol. Esse hábito de se alimentar de organismos tóxicos é benéfico para o caracol-marinho-língua-de-flamingo por duas razões. A primeira é que não há muitos organismos que contêm GSTs que podem desintoxicar aleloquímicas, assim existe uma falta de competição para comer corais gorgônias. A outra razão é que o caracol-marinho-língua-de-flamingo agora contém aleloquímicas que tornam o animal desagradável para seus predadores. No entanto, esse caracol só tem alguns poucos predadores, incluindo o bodião-porco (Lachnolaimus maximus), baiacus (peixes da família Tetraodontidae) e a lagosta-espinhosa-do-caribe (Panulirus argus).

Como muitos outros gastrópodes, o caracol-marinho-língua-de-flamingo segue as trilhas de muco deixadas por congêneres e agregados. Os adultos são dioicos (ou são machos ou são fêmeas) e não parecem mudar de sexo quando estão completamente crescidos. Existem sinais levados pela água que servem para captar feromônios; através de longas distâncias esses sinais indiscutivelmente têm um papel importante na produção de agregações.

Quando a reprodução ocorre, o caracol-marinho-língua-de-flamingo forma grandes agregações. A fêmea anexa seus ovos ao coral onde ela se alimentou recentemente. Depois de aproximadamente 10 ou 11 dias as larvas eclodem com menos de 5 mm de comprimento. Elas são planctônicas e, eventualmente, se estabelecem em outros corais gorgônias. Os juvenis tendem a permanecer na parte inferior dos galhos do coral, enquanto os adultos são mais visíveis e móveis. Os adultos raspam os pólipos fora do coral com sua rádula, deixando uma cicatriz de alimentação facilmente visível no coral. No entanto, os pólipos podem crescer novamente no coral, portanto, a predação do caracol-marinho-língua-de-flamingo geralmente não é letal.

Habitat

O caracol-marinho-língua-de-flamingo habita recifes de corais em águas rasas, onde vive anexado em várias espécies de corais gorgônias.

Distribuição

O caracol-marinho-língua-de-flamingo ocorre nas águas tropicais do Oceano Atlântico ocidental, da Carolina do Norte até a costa norte do Brasil, incluindo as ilhas Bermudas, o Mar do Caribe, o Golfo do México e as Pequenas Antilhas.

Continentes de Ocorrência

América do Norte, América do Sul

Elaboração e Tradução de Texto (Inglês / Espanhol para Português)

  • Terra Selvagem (by LS).

Referências

  • Wikipedia contributors. "Flamingo Tongue Snail." Wikipedia, The Free Encyclopedia. Wikipedia, The Free Encyclopedia, 15 Jan. 2017. Web. 8 Apr. 2017.
  • Invertebrate Zoology.
  • The Cephalopod Page (TCP) & The Marine Invertebrates of Bermuda.

Mais Espécies de Invertebrados

Conheça mais espécies de Invertebrados selecionadas pelo Terra Selvagem.

Você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Saiba que dependemos exclusivamente de anúncios para manter o Terra Selvagem no ar.

Para continuar navegando, desabilite seu bloqueador de anúncios ou adicione o endereço www.terraselvagem.com à lista branca de sites do seu bloqueador de anúncios.