Sabiá-branco

Fotografia por Sergey Pisarevskiy, CC BY-NC-SA

Local da foto: Departamento de Magdalena, Colômbia

 Canon EOS 5D Mark II (Canon)
Distância Focal: 400mm  •  Abertura: f/5.6  •  Tempo de Exposição: 1/200s  •  ISO: 2000
Data em que a foto foi tirada: 25/10/2016
  NÃO reproduza o conteúdo deste site sem autorização!

Sabiá-branco

Turdus leucomelas
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Aves
Ordem Passeriformes
Família Turdidae
Gênero Turdus
Nome Científico Turdus leucomelasVieillot, 1818
Nome Inglês Pale-breasted Thrush
Estado de Conservação LC  - Pouco Preocupante (IUCN / 2016)

Descrição

O sabiá-branco, conhecido também como sabiá-barranco, sabiá-barranqueira, sabiá-de-cabeça-cinza, sabiá-fogueteiro, sabiá-pardo e capoeirão, é uma ave passeriforme da família Turdidae.

O sabiá-branco tem o bico cinza-escuro uniforme. O adulto apresenta a cabeça acinzentada nos lados e olivácea na parte alta. O tom acinzentado domina as costas, tornando-se amarronzado nas asas. O peito é acinzentado, com a garganta branca e listras cinza-escuras bem definidas. Quando voa, às vezes mostra a área alaranjada da parte interna das asas. A parte inferior da cauda é clara. O juvenil tem o dorso pintalgado de bolas amarronzadas, sem a garganta branca bem delimitada. No peito e na barriga existem pontos marrons. A espécie não apresenta dimorfismo sexual. A diferenciação entre macho e fêmea é feita pelo canto, que é característica do macho.

Um pouco menor do que o sabiá-da-mata (Turdus fumigatus) e o sabiá-laranjeira (Turdus rufiventris), o sabiá-branco tem cerca de 22 a 23 cm de comprimento. Ele pode ser confundido com o sabiá-poca (Turdus amaurochalinus), mas o sabiá-branco é mais corpulento, tem o alto da cabeça arredondado, e não tem a mácula negra à frente dos olhos (entre o olho e o bico).

Biologia

O sabiá-branco alimenta-se basicamente de minhocas e artrópodes. Assim como outros sabiás, revira folhas caídas em busca de pequenos invertebrados. Ele também se alimenta de pequenos frutos e costuma frequentar comedouros com frutas.

O sabiá-branco canta somente na primavera, época em que acasala. Durante o resto do ano só emite vocalizações de alerta, especialmente ao entardecer quando disputa os melhores poleiros para passar a noite. O chamado de alarme é um piado alto, arrastado, formado por várias notas em sequência, geralmente sendo mais fácil escutá-lo do que vê-lo. No período reprodutivo, o canto melodioso é interrompido por sons graves e agudos, inclusive chamados de alarme. Ao contrário dos outros sabiás, varia muito as estrofes, parecendo estar sempre improvisando.

O sabiá-branco é uma espécie residente. O período de reprodução tem início em agosto e se estende até dezembro. Pode ter até 4 ninhadas por temporada. Como outros sabiás, constrói um ninho apoiado em galhos ou forquilhas, às vezes em alpendres e varadas de casas, usando uma mistura de barro, raízes e folhas na parte externa. Forma uma pequena torre e na parte superior fica a tigela funda de material vegetal mais macio. A fêmea coloca de 2 a 4 ovos de cor verde-azulada com salpicos pardos, que medem 28 por 20 mm e são incubados durante cerca de 12 dias. Os filhotes saem do ninho em 17 dias. A espécie atinge a maturidade sexual aos 12 meses de idade.

Habitat

O sabiá-branco tem como habitat beira de matas, parques, matas de galeria, coqueirais, cafezais, matas ciliares, matas secas, cambarazais e cerradões. Utiliza os capões de cerrado e cruza áreas abertas em voos diretos a meia altura. Acostuma-se com ambientes criados pela ação humana, como jardins, pomares e áreas urbanas bem arborizadas.

Distribuição

O sabiá-branco tem uma distribuição geográfica muito grande pela América do Sul. Ele é encontrado na Colômbia, Peru, Venezuela, Guiana, Suriname, Guiana Francesa, Brasil, Bolívia, Paraguai, Argentina e Uruguai.

Subespécies

  • Turdus leucomelas leucomelas - ocorre no nordeste, sudeste, centro-oeste e sul do Brasil até o Paraguai, no norte da Bolívia, no nordeste da Argentina e no Peru (San Martín).
  • Turdus leucomelas albiventer - ocorre do norte da Colômbia até a Venezuela, nas Guianas e no norte do Brasil.
  • Turdus leucomelas cautor - ocorre no nordeste da Colômbia (Península de Guajira).

Continentes de Ocorrência

América do Sul

Elaboração e Tradução de Texto (Inglês / Espanhol para Português)

  • Terra Selvagem (by LS).

Referências

  • BirdLife International. 2016. Turdus leucomelas. The IUCN Red List of Threatened Species 2016: e.T22708888A94182690. Acessado em 15 Out 2017.
  • Sabiá-branco (Turdus leucomelas). WikiAves, a Enciclopédia das Aves do Brasil.
  • Guia de Aves do Pantanal.
  • Clube de Observadores de Aves do Vale Europeu (COAVE).
  • Clements, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L. Wood. 2018. The eBird/Clements checklist of birds of the world: v2018.

Fotos da Espécie

Mais Espécies de Aves

Conheça mais espécies de Aves selecionadas pelo Terra Selvagem.

Você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Saiba que dependemos exclusivamente de anúncios para manter o Terra Selvagem no ar.

Para continuar navegando, desabilite seu bloqueador de anúncios ou adicione o endereço www.terraselvagem.com à lista branca de sites do seu bloqueador de anúncios.