Rã-venenosa-encantadora

Fotografia por John P. Clare, CC BY-NC-ND

Local da foto: Ilha Popa, Arquipélago de Bocas del Toro, Panamá

  NÃO reproduza o conteúdo deste site sem autorização!

Rã-venenosa-encantadora

Phyllobates lugubris
Reino Animalia
Filo Chordata
Classe Amphibia
Ordem Anura
Família Dendrobatidae
Gênero Phyllobates
Nome Científico Phyllobates lugubris(Schmidt, 1857)
Nome Inglês Lovely Poison Frog, Striped Poison Frog
Estado de Conservação LC  - Pouco Preocupante (IUCN / 2015)

Descrição

A rã-venenosa-encantadora, conhecida também como rã-venenosa-listrada, é uma espécie de anfíbio da família Dendrobatidae e a menos tóxica das espécies do gênero Phyllobates.

A rã-venenosa-encantadora tem um dorso preto com listras dorsolaterais emparelhadas e amplas que podem ser de cor amarela, laranja, ouro ou azul-turquesa. Existe também uma listra ventrolateral mais clara e mais fina de cor branca ou turquesa, correndo de cada lado da ponta do focinho abaixo dos olhos, ao longo dos lábios superiores e até os braços. A superfície superior dos membros é marmoreada com preto e dourado ao verde-amarelado. A superfície inferior dos membros e o ventre são marmoreadas com preto e azul, verde, branco ou prata. Essa espécie tem olhos grandes com a íris preta ou marrom-escura. A pele é ligeiramente granular no dorso, na superfície dorsal dos membros, no ventre e na superfície ventral das coxas. A pele é lisa na superfície ventral dos membros. A cabeça é mais comprida do que larga, com um focinho arredondado e truncado. O primeiro dedo é mais longo do que o segundo.

A rã-venenosa-encantadora é a menor espécie do gênero Phyllobates, atingindo até 2,5 cm de comprimento. A fêmea é ligeiramente maior do que o macho.

Biologia

A rã-venenosa-encantadora é diurna, habitando a serrapilheira no chão da floresta. A coloração brilhante é aposemática, servindo como um aviso de suas toxinas na pele para os predadores. Essa espécie não é territorial.

A dieta da rã-venenosa-encantadora é composta de uma grande variedade de presas invertebradas, a maioria das quais são insetos.

A reprodução da rã-venenosa-encantadora ocorre durante a estação chuvosa. Os machos costumam chamar de dentro de áreas protegidas de baixa visibilidade, como água cercada por densa vegetação, para atrair as fêmeas. O chamado é um trinado alto e constante. O macho e a fêmea trabalham juntos para criar um ninho de solo na serrapilheira seca, onde a fêmea deposita seus ovos. O macho fertiliza e protege os ovos. Como a serrapilheira está propensa a secar, o macho umedece os ovos com frequência com a sua urina. Depois que os ovos eclodem, cerca de duas semanas depois da fertilização, os girinos deslizam sobre o dorso do macho e se agarram firmemente a ele em uma bola orgânica. O macho transporta os girinos para poças no chão da floresta. Ele então protege os girinos até que eles cresçam e se tornem independentes. Essa espécie está sexualmente madura com cerca de 10 meses de idade.

Habitat

A rã-venenosa-encantadora tem como habitat as florestas úmidas de baixa altitude, mas também ocorre na margem de florestas úmidas de encosta. É encontrada do nível do mar até 650 m de altitude.

Distribuição

A rã-venenosa-encantadora ocorre nas planícies do Caribe, desde o extremo sudeste da Nicarágua, pela Costa Rica e no noroeste do Panamá.

Veneno

A rã-venenosa-encantadora é a menos tóxica das espécies letais do gênero Phyllobates. Sua pele secreta pumiliotoxina A, a mais tóxica dos três tipos de pumiliotoxina. A pumiliotoxina A, assim como outras pumiliotoxinas, funciona bloqueando as contrações musculares, o que pode causar parada cardíaca e insuficiência respiratória. A rã-venenosa-encantadora contém uma quantidade surpreendentemente alta de pumiliotoxina para um animal do seu tamanho, assim, tocar um espécime selvagem pode ter sérias consequências.

A pumiliotoxina é mortal em altas concentrações, e é mais fraca do que a alopumiliotoxina e especialmente a batracotoxina (presentes em outras espécies do gênero Phyllobates).

Continentes de Ocorrência

América do Norte

Elaboração e Tradução de Texto (Inglês / Espanhol para Português)

  • Terra Selvagem (by LS).

Referências

  • AmphibiaWeb 2009. Phyllobates lugubris: Striped Poison Frog. University of California, Berkeley, CA, USA.
  • IUCN SSC Amphibian Specialist Group. 2015. Phyllobates lugubris. The IUCN Red List of Threatened Species 2015: e.T55263A3026290.
  • Reptipedia/Fandom.

Fotos da Espécie

Mais Espécies de Anfíbios

Conheça mais espécies de Anfíbios selecionadas pelo Terra Selvagem.

Você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Saiba que dependemos exclusivamente de anúncios para manter o Terra Selvagem no ar.

Para continuar navegando, desabilite seu bloqueador de anúncios ou adicione o endereço www.terraselvagem.com à lista branca de sites do seu bloqueador de anúncios.