Artigos A História do Tigre Branco O primeiro tigre branco a ser capturado não foi, como se costuma afirmar, o famoso Mohan.
Foto:

Fotografia por Tambako The Jaguar, CC BY-ND


COMPARTILHE

Artigos Terra Selvagem »

Os Primeiros Registros de Tigres Brancos

O primeiro tigre branco a ser capturado não foi, como se costuma afirmar, o famoso Mohan. Houve diversas capturas e um grande número de avistamentos (e caça) antes dele. Por exemplo, em um dos primeiros registros um tigre branco foi exibido no Exeter Change (um edíficio no lado norte de Strand, em Londres) em 1820.

Caçadas eram comuns entre 1892 e 1922 em lugares como Orissa, Assam, Bilaspur, Cooch Behar e Poona. Entre 1920 e 1930 quinze tigres brancos foram mortos na região de Bihar. Alguns desses "troféus" foram colocados em exposição no Museu de Calcutá, na Índia.

Em dezembro de 1915, 36 anos antes da captura de Mohan, o Marajá Gulab Singh de Rewa capturou um filhote branco. Na época da captura ele tinha aproximadamente dois anos de idade e viveu em cativeiro no palácio de verão do marajá por mais cinco anos. O tigre foi enviado como um presente para o rei George V como um sinal de lealdade da Índia à coroa. Até hoje, tigres brancos ainda são mantidos no palácio de verão do marajá que está localizado em Govindgarh, Índia.

O Mais Famoso de Todos os Tigres Brancos: Mohan

Em Maio de 1951, o Marajá Shri Martand Singh estava caçando nas florestas de Bandhavgarh (na Índia Central). No dia 25 um informante relatou que uma tigresa havia sido avistada com quatro filhotes, sendo que um era branco. No dia seguinte, uma busca foi realizada para encontrar a tigresa.

Há registros de que a tigresa se aproximou lentamente do lugar onde o marajá estava sentado com seus convidados. Aparentemente houve pouca preocupação da tigresa em se aproximar e ela provavelmente não sabia da ameaça.

A tigresa e dois dos seus quatro filhotes foram mortos. Mas, por sorte o filhote branco fugiu. As leis daquela época permitiam a caça de uma tigresa com filhotes e isso era muito comum. De volta ao acampamento base, as mortes foram registradas, como um trabalho de rotina.

Na manhã seguinte, nenhum vestígio do filhote branco foi encontrado. Mas finalmente foram vistas marcas no barro em uma trilha feita pela mãe. Faminto, o filhote havia voltado e tinha se escondido em uma fenda de rocha.

Tigre Branco

Fotografia por Tambako The Jaguar, CC BY-ND

Um carpinteiro local fez uma espécie de gaiola com porta suspensa, que foi colocada na saída da fenda. Sabendo que o filhote poderia estar com sede, colocaram um recipiente com água dentro da gaiola na tentativa de fazer o filhote entrar. Algumas horas depois, o plano deu certo e o filhote foi capturado. O filhote foi levado para o palácio do Marajá e colocado em um amplo pátio aberto.

No dia 30 de maio, apenas três dias após a sua captura, o filhote branco escapou e uma longa caçada foi organizada para tentar recuperá-lo. Houve vários confrontos violentos durante as tentativas de captura do filhote usando uma rede. Em uma das tentativas de captura o filhote atacou e foi duramente atingido na cabeça. A pancada o deixou inconsciente e finalmente conseguiram capturá-lo novamente.

O filhote branco foi reintroduzido ao pátio, que foi reestruturado para que ele vivesse o resto de sua vida. Esse tigre era o famoso Mohan.

Os Primeiros Tigres Brancos Criados em Cativeiro

Na idade adulta, Mohan se acasalou com uma tigresa laranja selvagem capturada, chamada Begum, mas suas três ninhadas tiveram apenas filhotes de coloração normal (agora sabemos que a combinação provavelmente não têm o código genético para a produção de tigres brancos). Ela então foi vendida para o Zoológico de Ahmedabad e o Marajá procurou por uma outra parceira para que pudesse produzir os tão desejados filhotes brancos.

Mohan então se acasalou com Radha, uma de suas filhas da segunda ninhada, e isso resultou em quatro filhotes brancos: Raja, Rani, Sukeshi e Mohini. Posteriormente, usando esse método, espécimes brancos puderam ser gerados a uma taxa de um para cada três tigres laranjas.

Raja e Rani

Dois dos filhotes, Raja e Rani foram doados ao zoológico de Nova Delhi onde se tornaram os animais mais famosos do zoológico.

Posteriormente Rani gerou 20 filhotes, todos brancos. A única tigresa cativa a igualar esse número foi Chandani do Zoológico Alipore, em Calcutá.

Tigre Branco

Fotografia por Jose Luis Caro Herrero, CC BY

A mãe de Raja e Rani (Radha) também gerou um grande número de filhotes, dando à luz a 13 tigres brancos e 9 laranjas. Ela morreu em 2 de maio de 1974 e ainda é considerada a primeira-dama dos tigres brancos.

A Morte de Mohan

O grande Mohan morreu com 19 anos e 7 meses. Foram feitos planos para uma grande festa de seu aniversário de 20 anos, mas ao invés disso, ele foi sepultado em um pátio do palácio com todos os rituais hindus.

Os Últimos Tigres Brancos Selvagens Conhecidos

O último registro de um tigre branco capturado foi o de Mohan e o último tigre branco selvagem conhecido foi morto em Bihar em 1958.

No século passado, houve apenas uma dúzia ou menos de relatos de tigres brancos vistos nas florestas da Índia, e alguns desses podem ser considerados imprecisos. É extremamente improvável que ainda existam tigres brancos selvagens devido à uma rara combinação genética necessária para produzi-los.

Além disso, qualquer filhote branco estaria em uma enorme desvantagem, uma vez que não tem camuflagem natural e iria atrair predadores. Qualquer tigre branco que sobrevivesse até a idade adulta teria grande dificuldade para caçar.

Os tigres brancos são consideradas extintos na natureza.

Seema

Em 29 de agosto de 1979, Seema, uma tigresa branca foi enviada ao Zoológico de Kanpur como uma potencial parceira para Badal, um tigre macho de coloração normal (da quarta geração do casal Mohan/Begum). Esse projeto não teve sucesso e o objetivo tornou-se então acasalar Seema com Sheru ou Titu, ambos famosos devoradores de homens capturados na área do Parque Nacional Corbett. Posteriormente, o acasalamento com Sheru foi bem sucedido.

Seema gerou uma ninhada de três filhotes: Sajeev, Uttam e Johar, dos quais um, Johar, era branco.

Tigre Branco

Fotografia por Tony Hisgett, CC BY

Isso foi surpreendente porque conforme os princípios hereditários comumente aceitos da genética mendeliana, filhotes brancos não deveriam ter sido gerados se o pai, nesse caso Sheru, era homozigoto de coloração normal.

Esse acontecimento deu origem a uma possibilidade de que poderia talvez existir alguns genes brancos no habitat do Parque Nacional Corbett, de onde Sheru foi capturado.

A História dos Tigres Brancos nos Estados Unidos

Em 1960, com a idade de dois anos, uma fêmea branca (Mohini) foi comprada por um empresário por 10 mil dólares americanos. Ele doou a tigresa para o Zoológico Nacional em Washington, como um presente para as crianças dos Estados Unidos.

Dois oficiais viajaram para Rewa, na Índia, para buscar a tigresa. Eles levaram uma carta do Ministério da Indústria e Comércio Indiano autorizando a exportação do animal, mas o Ministério da Agricultura em Nova Delhi recusou-se a honrar alegando que a tigresa era um tesouro nacional.

Depois de muitas horas de conversa, os funcionários reconheceram que exportar a tigresa não prejudicaria a população de tigres selvagens da Índia, e onze homens transportaram a tigresa para o avião. Os guardas observaram a tigresa dia e noite, chegando ao ponto de dormir ao lado de sua gaiola.

Em 5 de dezembro de 1960, Mohini foi apresentada ao presidente americano Dwight Eisenhower, em uma cerimônia realizada no gramado da Casa Branca.

A Reprodução de Mohini

Mohini foi adorada, e encantou os visitantes, de modo que o zoológico queria produzir mais desses animais. Isso apresentou um problema, pois não havia mais nenhum tigre branco disponível, mas o zoológico posteriormente encontrou um dos tios de Mohini de coloração normal, Samson.

Um dos seus descendentes, Ramana, se acasalou com Mohini que gerou uma fêmea branca, Rewati. Apesar de ser bonita e saudável, ela mostrou sinais claros do que é conhecido como "depressão de consanguinidade".

Tigre Branco

Fotografia por Runa Jensen, CC BY-NC-SA

Depressão de consanguinidade (inbreeding depression) é uma redução da aptidão numa dada população como resultado de cruzamentos entre indivíduos relacionados. Cruzamentos entre indivíduos relacionados, resulta em que características deletérias recessivas se manifestem. Quanto mais próximos o casal reprodutor é, maior o número de genes deletérios homozigóticos que os descendentes podem ter, resultando em indivíduos pouco aptos.

Todos os tigres brancos cativos descendem de Mohan, o que explica porque eles são tão geneticamente puros.

O Que Causa Tigres Brancos?

Um tigre branco só pode nascer quando ambos os pais carregam o gene incomum para a coloração branca. O alelo recessivo duplo no código genético só aparece naturalmente cerca de uma vez em cada 10.000 nascimentos. Por razões inexplicáveis, parece ocorrer apenas na subespécie tigre-de-bengala.

Relatos de tigres-siberianos brancos são incorretos. Estes tigres são tigres-de-bengala que em algum momento foram hibridizados com a subespécie tigre-siberiano, poluindo assim seu código genético. No entanto, eles devem ter parentesco com o tigre-de-bengala para produzir a pelagem branca.

Mitos Que Cercam o Tigre Branco

Um mito comum sobre os tigres brancos é que eles são da Sibéria e que a cor da sua pelagem permite camuflagem na neve. Isso não é verdade.

A verdade é que os tigres brancos vêm da Índia e dos aproximadamente quarenta tigres brancos reproduzidos em cativeiro, dos quais a maioria permanece naquela país.

O tigre branco não é uma espécie separada - talvez seja mais correto chamá-lo de uma coloração anormal. Como ele não é uma subespécie ele também não é uma "espécie ameaçada". Tigre Branco

Fotografia por João Ferrão dos Santos, CC BY-NC

Talvez o mito mais comum sobre os tigres brancos é que eles são albinos. Mas sem o pigmento eles não teriam listras, narizes coloridos e manchas nos lábios. Sua pele seria leitosa.

Um fato pouco conhecido é que os tigres brancos nem sempre têm olhos azuis - eles podem ser verdes ou âmbar. Mais uma vez, isto requer pigmento nos olhos que um albino não teria.

Alguns Mitos Históricos Que Cercaram o Tigre Branco

  • Príncipes nativos do norte da Índia consideravam os tigres brancos uma raridade e espécimes premiados eram mantidos em zoológicos privados.
  • No reino de Assam existia uma crença de que alguém que avistasse um tigre branco morreria em breve. É um mito que permanece até hoje.

Fonte

© Tiger Territory

COMPARTILHE