Gavial  Gavialis gangeticus
Foto: Gavial

Fotografia por Gabriel Cruz, CC BY


Compartilhe

Distribuição Geográfica
(clique no mapa)

Foto: Mapa da Distribuição Geográfica

Nome Comum
Gavial

Nome Inglês
Gharial, Indian Gharial, Fish-eating Crocodile

Nome Científico
Gavialis gangeticus

PERFIL DA ESPÉCIE

O gavial é um crocodiliano da família Gavialidae criticamente ameaçado de extinção. É uma das maiores espécies de crocodilianos (um grupo que inclui também crocodilos, aligátores e jacarés), com o focinho mais estreito dentre todas as espécies.

O nome comum inglês (gharial) vem do apêndice nasal bulboso do macho adulto, que se assemelha a um recipiente indiano chamado de "ghara". A diferença na aparência física entre os sexos é única para esta espécie de crocodiliano, e é acentuada pelo grande tamanho do macho. Além disso, ao contrário de outros crocodilianos, o gavial tem pernas relativamente fracas e quando adulto é incapaz de levantar seu corpo acima do solo em terra.

O gavial é caracterizado por suas mandíbulas finas e extremamente longas, considerada uma adaptação a uma dieta predominantemente de peixes. Tem uma coloração oliva clara ou escura na parte superior, com faixas transversais escuras e salpicadas na cabeça, corpo e cauda. O ventre é branco amarelado e o pescoço é alongado e espesso. Os machos têm entre 5-6 m de comprimento, e as fêmeas têm entre 3,5-4,5 m de comprimento. O peso médio de um gavial adulto varia entre 159-250 kg.

Biologia

O distinto focinho estreito do gavial é uma excelente adaptação para a captura de presas debaixo d'água. Apresentando pouquíssima resistência à água, ele permite que o gavial chicoteie sua cabeça para os lados na água para pegar os peixes com seus dentes pequenos e afiados. Embora os adultos alimentem-se principalmente de peixes, os gaviais jovens se alimentam de uma grande variedade de invertebrados.

As fêmeas adultas, que atingem a maturidade e se tornam sexualmente receptivas por volta dos 10 anos de idade, são defendidas em haréns pelos machos. Embora sua função exata seja pouco conhecida, acredita-se que o apêndice nasal bulboso do macho seja um indicador visual do sexo, ressonador de som ou um dispositivo de borbulhamento usado durante o cortejo.

A nidificação ocorre durante a estação seca, quando as fêmeas se arrastam em terra firme para escavar buracos nos quais cerca de 40 ovos grandes são enterrados. Os ovos são incubados naturalmente no buraco/ninho, mas a fêmea permanece perto do ninho para protegê-los de predadores, como porcos, chacais, lagartos e mangustos. Após cerca de 70 dias, quando os filhotes estão prontos para sair, eles emitem chamados de dentro dos ovos alertando a mãe para escavar os ovos para fora do buraco do ninho. Embora o gavial não apresente o hábito crocodiliano de transportar filhotes em suas mandíbulas, os jovens permanecem com a mãe durante algumas semanas ou até vários meses.

Habitat

Provavelmente o mais aquático dos crocodilianos, o gavial é encontrado nas áreas mais calmas e profundas de rios caudalosos.

Distribuição

Historicamente, o gavial era encontrado na Índia, Paquistão, Nepal, Bangladesh, Butão e Myanmar, mas agora está extinto na maioria desses países. As populações restantes de gavial estão restritas à Índia e Nepal e estão muito fragmentadas.

Referência

Wikipedia (Inglês) / Arkive


Status de Conservação da Espécie

Critically Endangered

Status

Criticamente Ameaçada

Ano avaliado
2007

Classificada por
IUCN 3.1




Mais do Terra Selvagem