Felinos Pantera Negra A pantera negra não é uma espécie distinta de felino, mas uma variante de cor melanística de qualquer espécie do gênero Panthera.
Foto: Pantera Negra

Fotografia por Will Merydith, CC BY-NC-SA


COMPARTILHE

Pantera Negra

A pantera negra não é uma espécie distinta de felino, mas sim uma variante de cor melanística de qualquer espécie do gênero Panthera. As panteras negras na Ásia e África são os leopardos (Panthera pardus), e as panteras negras nas Américas são as onças-pintadas (Panthera onca) pretas.

Melanismo

O melanismo é um desenvolvimento do pigmento melânico da cor escura da pele, e é o oposto do albinismo. A palavra melanismo vem do grego: μελανός, que significa "pigmento preto". O melanismo em felinos refere-se a variantes na coloração da pelagem de membros da família Felidae em que um grande acúmulo do pigmento melanina lhes confere a cor preta.

O melanismo na onça-pintada (Panthera onca) é atribuído por um gene alelo dominante, e no leopardo (Panthera pardus) por um gene alelo recessivo. Uma análise mais detalhada da cor destes felinos pretos vai mostrar que as características rosetas ainda estão presentes na pelagem, mas estão escondidas pelo excesso de pigmento melânico preto, dando um efeito semelhante ao da seda impressa. Isto é chamado de "segmentação fantasma". Animais melanísticos e não melanístico podem ser da mesma ninhada.

Acredita-se que o melanismo pode proporcionar uma vantagem seletiva sob certas condições, uma vez que ele é mais comum em regiões de florestas densas, onde os níveis de luz são mais baixos. Estudos preliminares recentes também sugerem que o melanismo pode estar associado a mutações benéficas no sistema imunológico.

Leopardo

Nos leopardos, o melanismo é atribuído por um gene alelo recessivo, por isso, leopardos não melanísticos podem dar à luz filhotes pretos.

Leopardos pretos são comuns nas florestas equatoriais da Malásia e nas florestas tropicais nas encostas de algumas montanhas africanas, como o Monte Quênia. Eles também são comuns em Java, e são relatados em áreas densamente florestadas no sudoeste da China, Myanmar, Assam e Nepal, e em partes do sul da Índia, onde eles podem ser mais numerosos que os leopardos "normais". Há também um registro de um leopardo preto nas florestas equatoriais de Camarões.

Os leopardos melanísticos são a forma mais comum de pantera negra em cativeiro, e eles têm sido reproduzidos seletivamente por décadas em zoológicos e no comércio de animais exóticos.

Onça-pintada

Nas onças-pintadas, o melanismo é atribuído por um gene alelo dominante. Consequentemente, onças pretas podem produzir filhotes pretos ou pintados, mas um casal de onças-pintadas "normal" só pode produzir filhotes pintados.

O gene é incompletamente dominante: os indivíduos com duas cópias do alelo são mais escuros (a cor preta de fundo é mais densa) do que os indivíduos com apenas uma cópia, cuja cor de fundo pode parecer carvão escuro ao invés de preto.

COMPARTILHE